Strigiformes perdemos


Exausto. Não é noite nem dia.


Não é julho, ou dezembro.

É Setembro.



Meio perdido e reflexivo (meio),

Acabei decidindo que cansei de fazer a diferença, nisso que já é uma causa perdida

E só outros ‘eus’ não quiseram ouvir.



Estendam suas bandeiras,

Aposentem os seus gizes.

Desfaçam suas bolsas.



Guardem a beca honrosa,

Esqueçam Sausurre, Baudelaire e Noel Rosa.

Guardem tudo com carinho e saudade.



Perdemos.



Perdemos para crianças indefesas, de pais duros e indoutos,

Frutos de outra falência,

De outra bandeira estendida.



Perdemos quando nos vendemos ao governo,

Quando aceitamos nossas trinta moedas de ouro

Quando fizemos o que devia ser feito.



Perdemos para crianças, cheias de teorias, artimanhas e perguntas.





Perdemos quando nos bancos da Academia pensamos ser mudança

Mas nas mesas das escolas descobrimos ser tudo, menos uma nova esperança.



Fomos perdendo em cada diário preenchido,

Em cada nota rasurada

Em cada grito oculto, dirimido e manchado.



Fomos perdendo,

Mas lutando.

Como um Celta incansável, humano.



Lutamos de todas as formas, gizes, livros, tablets e internet,

Mas perdemos.



Me vejo vencido. De lápis na mão

Moral no chão

Autoestima (meio).



Lá no fundo um sem luz, mostra-se brilhante.

E cá

Dentro de mim, começa a brilhar uma nova esperança,

Para uma nova Guerra que travo todos os dias.



Cartografias de um sangue amor

Pelas minhas mãos correm os destinos desta vida vazia.
Correm por cada traço destas digitais incolores, todas as vidas de uma mesma alma.

Pulsa nessas veias incólumes, a presença de um ser sangue.
De um tempo vivente,
que passa silencioso
levando meus dias, pensamentos e lembranças.

Vem pulsando em mim, com ares de trino amor
uma presença biológica
de amor, ternura e paz.




Pulsa em mim, com tons de vermelho,
um sangue puro
sem aço, sem realeza
um sangue plebeu.

Com ares de dor.
Pulsa em mim.

José Humberto dos Anjos

10 de julho


Raia mais um dia, e recai sobre todos os primeiros pontos de luz deste pai chamado sol.
O que é para ser um novo dia de sonhos e construções, apenas repetirá as sombras de todos os outros dias passados.

A sociedade é má.
Não suporta que as pessoas se amem gratuitamente, sem interesses financeiros, ou sexuais. Tudo é uma conspiração.

A sociedade é má.
Pensam sobre a gente o que bem querem e não nos dão a oportunidade de defesa.
Nos privam o direito de desconstruir a imagem que petrificaram,e que agora julgam como verdade.

A sociedade é má.
Não compreendem a gratuidade do amor, da amizade.
Não compreendem a gratuidade, o sublime e o puro.

Duas mãos podem se tocar e não propagarem o desejo.
Dois olhos podem se cruzar e não enlaçarem em amor.
Duas pessoas podem viver na gratuidade.

Mas, a sociedade é má.
Vê o que deseja e dá mais palavras para as rodas de conversa.
Vê a maldade no sublime, e horror no belo.
Nos consolam, quando sequer precisamos de colo,
mas é bonito.
Bonito fazer maldade e consolar em seguida.

A sociedade é má na arte da palavra.
Não mata com armas, ou golpes
mata com a palavra.
Com as ditas e não ditas.
Pensadas ou imaginadas: nos matam com as palavras.

Mas, a gente é sempre um viandante na vida.
Não se pode desistir. É preciso caminhar.

É preciso buscar ser feliz, independente da palavra alheia.
É preciso se defender: no silêncio ou no grito é preciso se defender.

Mas, o sol ainda insiste em brilhar no meio destas nuvens cinzas. Ainda existem pessoas de coração lindo e sorriso menino.
Ainda temos pessoas boas nessa rede má.

É nestas que me apego. Que amo. Que busco.
No sorriso menino, no coração indecifrável na fé caminhante, na bondade viandante.

José Humberto dos Anjos.

Lira delirante (José Humberto dos Anjos)


[paráfrase a Mario Quintana]




Se tu me amas, ama-me baixinho,
Não grites fremente teu amor, pois ao grita-lo, podes atrapalhar o canto dos pássaros
E ele é muito verdadeiro para ser oprimido neste mundo repleto de pseudo-amores.

Ama-me como a primavera ébria
Como os cravos amarelos que mesmo na dor ornam o defunto que cobrem.
As lágrimas que caem, mas hidratam a face que hora sofre.

Ama-me não com tua volúpia languida,
Não com teu espasmo frio,
Com teu desejo (in)desejoso.

Somente ama-me. Mais que a ela, ama-me!
Mais que aos seios soerguidos, acesos, alvos.
Mais que ao corpo esguio e atraente.

Mais que a cavidade que lhe dá prazer,
Mais que tua sexualidade
Mais que os corpos que possui, que te possuem e te alimentam.

Ama-me baixinho,
Mas não me ame em segredo.
Apenas ama-me! E já serás muito para alguém que não sabes sequer falar a verdade como os pássaros.

Os justos não falam: a dor grita I


Sensível, ele passou todos os anos a espera de uma sentença que era certa.
Soube de tudo antes de ser comunicado. No principio do fim, os oficiais cumpriram os trâmites, assinaram os papéis, chamaram a santidade, exigiram todas as pompas para que a morte fosse mais séria. Não se brinca com a morte.
Perguntaram ao réu qual seria seu último desejo. Ele disse, sensível:
___Quero um papel e um lápis.
Concederam. Eles eram bons, tão bons que concediam um desejo, o último.
Ele ajoelhou-se,com as mãos algemadas e os pés presos. Rabiscou, leu, pensou, sorriu, inspirou e amassou o papel vagarosamente. De longe um dos rapazes da limpeza, católico, daqueles que amam o irmão, lembrou-se e murmurou Colossenses 4, alguns seis versículos.
Outro vigia observando tudo, perguntou com ar curioso e questionador.
___Quer que entreguemos a alguém. Ninguém veio ver seu espetáculo, mas você deve ter alguém lá fora, na vida.
___Não. Não era um bilhete. Não era carta.
Emudeceu-se com sensibilidade e semblante como o de um menino que entra em uma chusma de borboletas.
Levaram-no para a cadeira de mortes. Sentaram com cuidado e ajeitaram as milhões de correis sangrentas que ali estavam. Colocaram venda, fizeram prece, olharam com olhos carnívoros, riram disfarçadamente e com um tom irônico. O vigário rezou meia dúzias de améns e como autoridade divina, autorizou a higiene.
Faíscas invisíveis...Tremores de dor e alívio. Uma saliva grossa escorreu pelo queixo do marginal sensível, molhou o macacão azul e congelou-se na altura do umbigo. Estavam enfim saciados daquela vontade de matar alguém culpado. Eles eram os garis da segurança, faziam a higienização social mais cruel. Eram o Deus da morte, aquele que não tem amor e nem justiça.
Levaram o corpo, arrastado, se na vida não teve dignidade respeitada, na morte não precisavam rebuscar os sentidos. Pela sala musgo ecoava o som dos sapatos sendo arrastados pelo chão do corredor.
Era menos um marginal sensível. Menos um. Menos. Menos um. Menos aquele, que era mais um, dos muitos uns que ainda passariam por ali.
No chão, o papel amassado dormia no silêncio de palavras não ditas.

Casos de acasos e bocas - José Humberto



Gosto quando o acaso me conduz
Quando me carrega nas asas das inconstâncias
Mas me faz feliz.
Para a velha João Pessoa o acaso me traz.
Me trouxe sobre suas asas desconfiadas
E medrosas.
Um primeiro voo. Carregado de medo e inseguranças
Aqui, aqui na João Pessoa fria de julho, vivi meu momento de epifania carnal.
O acaso, este mesmo que me trouxe até aqui, me fez perambular pelas ruas
Procurar os becos, onde vozes iguais as minhas fossem encontradas
Precisava falar com gente silenciada como eu
Precisava encontrar mais que carnes frescas, um carinho preciso
Preciso de desconhecer.
Lugar encontrado.
Sempre se encontra lugares para os silenciados
Sempre há um lugar. Encontro.
Olhares desconfiados a procura de uma carne distinta.
Entram.
Saem.
Voltam.
Mas, nenhuma carne é distinta o bastante.
Toalha branca na cintura destoa entre os silenciosos alguém igual a todos.
Lá vem... ... ... ...
Passa. Nem olha.
Olho eu. Eu procuro. Ele não.
Presa garbosa não procura é procurada.
Sigo, paro. Olho e ele foge.
(re)sigo,paro. Olho e ele foge.
Sigo novamente, paro, olho, sorrio e ele caminha.
Sigo novamente, paramos, olhamos, sorrimos e nos entregamos.
Porta fechada. Carinhos silenciosos. De gente silenciada.
Bocas enfurecidas. Mãos carnívoras.
Boca carnuda. Aveludada com gosto romã e cor de pecado.
Boca desbravadora, fazedora de cartografias corporais.
Sossego de busca. Troféu de presa caçadora, por fim todos somos presas.
Simbiose de corpos e de sentimentos. Entregues ao acaso e ao silêncio dos prazeres.
No canto (in)canto devaneio minhas tremuras e digo que
Reverbera em minha alma a dor do silêncio de nosso sexo esquecido.
Aquece minhas vergonhas e excita esse corpo esguio todo toque que você me dá.
As costas largas que vejo sobre o espelho da janela e a ternura do olhar que lanças sobre mim me coroam.
Essas mãos carnívoras que consomem minhas carnes e este seu modelo arcaico de me desnudar. Porque sou todo de você e seus eus são tão meus que esqueço de mim quando mergulho em seu eu erecto.

RESPOSTAS EM TEMPOS DE PERGUNTAS: MILTON JÚNIOR “FAZ PARTE DO MEU SHOW”






Da casa em que moro até o Espaço Verde, foram exatos 10 minutos. Pelo vidro do carro acompanhava aquele monte de luzes que se desafaziam à medida que eu passava por elas, um descompasso quase coreografado que despertou-me à reflexão.
Como se vivesse um fluxo de consciência, questionei-me quais os sinceros motivos que fizeram com que um sincrético revoltado como eu, escolhesse estar entre a plateia do show de lançamento do primeiro CD do Milton Júnior. Não tive dúvidas de que a amizade e a procura por um momento cultural foram o elo mais forte nesta união.
Com uma hora e quarenta e sete minutos de atraso, o show começou e o Milton que se viu, nada se parecia com o que conheci há algum tempo atrás. O menino de outrora, era o músico maduro e talentoso do presente. Alguém perdeu espaço naquele palco: o menino! E olha que de todos os males este nem foi o pior, afinal de contas o que são dos meninos se não crescem e se transformam em bons homens?
Não tive dúvidas de que a escolha da noite foi certa e que a “não presença” do menino renderia ótimas horas de prazer musical pra mim, humilde homem com eterna alma criança.
No repertório do show “RESPOSTAS” cerca de 16 músicas colaboraram para uma linda viagem que contou com composições de autoria pessoal do jovem artista e de clássicos da Música Popular Brasileira como “Tocando em frente” de Almir Sater.
Com um talento vocal perceptível e participações ilustres, Milton Júnior que ainda insiste em se apresentar sob a luz do diminutivo “Miltinho”, se mostrou grande, um artista que começa no rumo certo e que tem tudo para ter uma brilhante carreira.
Se estivéssemos falando de música secular, diria que estamos prestes a ver mais uma estrela nascer, no entanto como estamos no meio sacra, dou tiro certo ao afirmar que junto ao celeiro da música católica de qualidade, mais uma voz agasalha-se no aconchego do sucesso e essa voz vem em tom certo, em tons de mi.
Em tempos de perguntas e de várias dúvidas, a proposta do show Respostas vem certeira e enfática: “perguntas o que queres saber e lhes darei todas as respostas”, uma abordagem cristã a partir da ótica dos questionamentos e fraquezas humanas. Um belo espetáculo!
Ao fim, saciado das minhas curiosidades, comprei meu CD e sem autógrafo voltei pra casa, pois para quem tem o dom da amizade, de nada vale os rabiscos de uma caneta.
Milton Júnior, você “faz parte do meu show”.


José Humberto dos Anjos